ACADEMIA MARANHENSE DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES MILITARES - AMCLAM

PATRONO

JERÔNIMO_JOSÉ_DE_VIVEIROS.jpg
c4bfee986a91dad82c10e9ad44dd95d7.png
Cadeira nº 24

Professor JERÔNIMO JOSÉ de VIVEIROS

 

Nasceu em São Luís em 1884.

Falecido em 29 de novembro de 1965, aos 81 anos.

Tem sua origem ligada a uma próspera família de proprietários rurais e comerciantes de Alcântara, cidade vizinha a São Luís, onde também mantinham seus negócios.

Estudou no Liceu Maranhense e ingressou no curso de Direito no Rio de Janeiro, do qual desistiu e retornou a São Luís, devido grave doença que acometeu sua mãe.

Devido à crise financeira que o forçou a trabalhar, optou pela carreira de magistério tornando-se professor de História Universal no Liceu Maranhense.

Foi diretor do Instituto Viveiros, estabelecimento de ensino secundário.

Tempos depois, foi Diretor da Instrução Pública e da Imprensa Oficial do Estado e professor de História Antiga na Faculdade de Filosofia de São Luís, inspetor do ensino municipal,

Foi um historiador autodidata, em 1937, com o Estado Novo, foi demitido e retornou ao Rio de Janeiro e foi professor de História Universal no externato do Colégio Pero II.

Dez anos depois, volta a São Luís, e em 1950 ingressa na Academia Maranhense de Letras, ocupando a cadeira nº 08, patroneada por Gomes de Sousa.

Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, além de consultor técnico do Diretório Regional de Geografia do Maranhão.

Contribuiu de modo significativo, para a historiografia regional, com ênfase a obra “História do Comércio do Maranhão”.

Destacou-se como proprietário rural e político brasileiro, ao exercer o cargo de senador do império entre 1853-57.

Entregou-se com imensurável dedicação ao labor do magistério em prol do futuro do Maranhão.

Professor Jerônimo de Viveiros desempenhou papel relevante para as letras do Maranhão.

De acordo com Benedito Buzar, presidente da AML, o Maranhão deve e muito ao professor Viveiros. Ele ressalta ainda que mesmo assim, para muitos, o educador é um desconhecido que dá nome, por exemplo, a uma rua no bairro Alemanha, a uma travessa no São Cristóvão e a duas escolas. “Exatamente por isso que iremos solicitar à Prefeitura de São Luís que seu nome seja fincado em uma das praças principais da cidade”.

 

Obras:

 

Jerônimo José Viveiros é um dos nomes mais pesquisados em São Luís, legando ao Maranhão e ao Brasil obras como “História do Comércio do Maranhão” (quatro volumes), “Benedito Leite – um verdadeiro republicano”, “Alcântara em seu passado econômico, social e político” e “A história da instrução pública do Maranhão”, entre outras, todas elas servindo de fonte para pesquisas acadêmicas.

No primeiro livro, o professor nos traz dados relativos à exportação e importação, preços médios, mínimos e máximos, abertura e encerramento de atividades comerciais, estabelecimentos de crédito, campanhas de produção e diversas iniciativas empresariais que de algum modo têm a ver com a faina mercantil.

Conforme escrevera Jomar Moraes a respeito de tal livro, “nada, a bem dizer, escapou à capacidade de observação de Jerônimo de Viveiros, que dota de graça e movimento essa importante obra, ao enriquecê-la com detalhes curiosos, episódios expressivos e até anúncios muito interessantes, dos quais, por sinal, faz reiteradas transcrições, e até nos devolve integralmente, mediante reprodução fac-similar”.

Benedito Buzar informou que há interesse, por parte da instituição, de reeditar os quatro volumes de “História do Comércio do Maranhão”, em parceria com a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Vale e Associação Comercial do Maranhão. E também “Quadros da Vida Maranhense”, esta por meio da Editora do Senado Federal.

Figura representativa no Maranhão, o professor foi também homem perseguido, na época do Estado Novo, pelo interventor Paulo Martins de Sousa Ramos, que não somente mandou prendê-lo como o demitiu do cargo de professor Catedrático de História do Liceu Maranhense. Como abriu inquérito, acabou demitido. Recentemente, o médico e ex-reitor da UFMA, Natalino Salgado Filho, em artigo publicado em O Estado, defendeu um olhar das novas gerações sobre o mestre Jerônimo José Viveiros, merecedor de um capítulo na história do Maranhão pelo seu legado.

 

 

Referências:

BUZAR, Benedito. Jerônimo de Viveiros. Disponível em: <https://www.blogsoestado.com/buzar/2015/11/30/jeronimo-de-viveiros/>. Acesso em 31 mai 2018.

MOTA, Antônia; GERMANO Nivaldo. JERÔNIMO DE VIVEIROS: Sobre o modo de viver e o método de escrever a História do Comércio do Maranhão.

MORAES, Jomar. O historiador Jerônimo de Viveiros. Disponível em: <http://www.academiamaranhense.org.br/blog/o-historiador-jeronimo-de-viveiros/.>Acesso em 31 mai 2018