ACADEMIA MARANHENSE DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES MILITARES - AMCLAM

PATRONO

JOMAR DA SILVA MORAES.jpg
c4bfee986a91dad82c10e9ad44dd95d7.png
Cadeira nº 19

Nasceu em Guimarães/MA, a 06 de maio de 1940 e morreu em São Luís/MA EM 14/08/2016.  Filho de José Alípio de Moraes Filho e Marcolina Cyriaca da Silva.

 

Pesquisador, ensaísta, cronista, crítico e historiador da literatura maranhense. Editor de textos; manteve assídua colaboração na imprensa de São Luís.

 

Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, colou grau em 24 de julho de 1976. Especialista em Direito Empresarial (curso realizado em São Luís, de 31 de julho de 1976 a 5 de fevereiro de 1977, com 360 horas/aula através de um convênio entre a UFMA/INCRA/UnB.

 

Especialista em Comunicação Social, áreas de Rádio e TV, Publicidade e Propaganda (curso realizado em 5 etapas, de 6 de julho de 1982 a 21 de abril de 1984, com 600 horas/aula. São Luís, UFMA.

 

Mestre em História, com área de concentração em História do Brasil, Convênio UFMA/UFPE. Recife, 2002.

 

Doutor Honoris Causa da UEMA – Universidade Estadual do Maranhão. São Luís em 06 de agosto de 2010.

 

Sua primeira função foi soldado da Polícia Militar do Maranhão, onde permaneceu de 1959 a 1967, chegando, por cursos, à graduação de 3° sargento; diretor do Serviço de Administração da Secretaria de Educação e Cultura (1970-1971); diretor da Biblioteca Pública do Estado (1971-1973); diretor do Departamento de Assuntos Culturais da Fundação Cultural do Maranhão (1973-1975); diretor do Serviço de Imprensa e Obras Gráficas do Estado - SIOGE (1975-1980); diretor do Departamento de Assuntos Culturais da Universidade Federal do Maranhão (1981-1985); secretário de Estado da Cultura do Estado do Maranhão (1985-1987).

 

Pertenceu, em dois mandatos consecutivos, ao Conselho de Administração do Instituto de Previdência do Estado do Maranhão - IPEM e ao Conselho Estadual de Cultura, que posteriormente presidiu, na condição de secretário da Cultura. Representou a Academia Maranhense de Letras no Conselho Universitário da Universidade Federal do Maranhão em cinco mandatos de dois anos cada. Integrou, de 1987 a 1988, a Comissão Nacional do Centenário da Abolição e a Comissão Nacional do Guia Brasileiro de Fontes para a História da África, da Escravidão Negra e do Negro na Sociedade Atual.

 

Foi estagiário da Escola Superior de Guerra (Rio de Janeiro, 1980).

 

Membro correspondente dos Institutos Históricos e Geográficos do Piauí e do Distrito Federal, da Academia Paraibana de Letras e da Academia Paranaense de Letras.

 

Cidadão honorário de São Luís, de Buriti Bravo e de Alcântara.

 

Auditor Fiscal do Estado do Maranhão; advogado da Universidade Federal do Maranhão, desde setembro de 1984 e, a contar de 1990, procurador federal com exercício na referida Instituição de Ensino Superior, da qual foi procurador-chefe no período de novembro de 1996 a agosto de 2006.

 

Detentor das medalhas: Santos Dumont, do Ministério da Aeronáutica; Brigadeiro Falcão da Polícia Militar do Maranhão; João Lisboa, do Conselho Estadual de Cultura do Maranhão; do Sesquicentenário da Adesão do Maranhão à Independência, do Mérito Timbira, da Ordem dos Timbiras (grande oficial) de comendador do 4º Centenário de São Luís do Governo do Maranhão; comendador da Ordem de Rio Branco (Brasil) e da Ordem Nacional do Mérito de Portugal; Medalha Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras; Padre Antônio Vieira, da UBE-RJ, e Simão Estácio da Silveira, da Câmara Municipal de São Luís; 4º Centenário de São Luís, outorgada pela Assembleia Legislativa do Estado e, com as Palmas Universitárias, conferidas pela Universidade Federal do Maranhão.

 

Distinguido com 11 prêmios literários e com os diplomas de Personalidade Cultural (1980) e de Mérito Cultural (1981, 1988, 2000 e 2005) da União Brasileira de Escritores – Seção do Rio de Janeiro.

 

Membro da Academia Maranhense de Letras, instituição que presidiu por 22 anos em 11 mandatos consecutivos, se tornando o presidente que por mais tempo presidiu a Casa no Maranhão. O escritor ocupava a cadeira de número 10.

 

Referência:

ACADEMIA MARANHENSE DE LETRAS. Jomar Moraes. Disponível em <http://www.academiamaranhense.org.br/jomar-moraes/. Acesso em 05 mai 2018,