Buscar
  • Carlos Furtado

IMPORTAR-SE COM OS OUTROSCarlos Furtado

IMPORTAR-SE COM OS OUTROS

Carlos Furtado


Importar-se com os outros é preocupar-se com os seus semelhantes, é saber como estão, é poder contribuir de alguma forma positiva, especialmente com as pessoas que orbitam em nossa volta, ou nós, na dela, estando em esfera de ação ou de influência. Creio que isso é significativamente importante para nós.


Qualquer que seja o tipo de relacionamento: dividindo a convivência no trabalho, em um grupo social ou muitas vezes, participando de suas vidas como amigo, familiar, ou em comunhão; não há dúvidas que é uma sensação diferenciada.


Nestes tempos em que valores altruístas estão raros, as pessoas fecharam-se em seus mundos e resolveram importar-se apenas com as sua próprias vidas e quiçá, com aqueles em que estão umbilicalmente ligados.


O interessante é que o amor, como o sentimento mais nobre entre os seres humanos, de onde derivam outros sentimentos maravilhosos, cada vez é mais difícil senti-lo e observá-lo.

O ser humano nasceu com a capacidade de amar e não há sensação mais agradável e benéfica do que deixá-lo fluir de nosso ser e envolver as pessoas.


Evidentemente, há inúmeras situações que causa a falta dessa fluidez.


Quantos procuram tirar proveito e vantagens de suas relações ou entendem de forma deturpada os esforços de alguém em demonstrar o amor?


Quantas pessoas decidem simplesmente, cuidar de si mesmo, ou no máximo, estendem suas preocupações somente com os que estão unidos?


Quantas situações de exploração na tentativa de usufruir de suas influências ou na busca de vantagens pessoais e materiais?


Lamentavelmente, o cristalino é que há muitos, dominados por um espírito de desconfiança e possuem poucos amigos reais.


Entretanto, em todas as situações possíveis, é óbvio que lhes falta o amor, a espécie de amor manifestada de forma desinteressada, onde a sinceridade e o bem-estar duradouro dos outros, desenvolve-se com naturalidade.


Vivemos em um mundo desamoroso, onde a materialidade assumiu papel preponderante nas sociedades, por tal, necessitamos do exercício de bons sentimentos.


O interesse pelos outros não deve-se limitar e centrar-se somente em suas necessidades materiais; bem como, o nosso amor, tampouco seria completo só por sermos bondosos com toda a sorte de pessoas.


Importar-se com outros é deixar manifestar o amor, é permitir que esse sentimento flua, mas, para isso é preciso estar em comunhão com um Ser Superior, é acreditar e ter fé em Deus, é deixar que nossos valores se liberem e se expandam.


Somos resultantes do amor e mesmo que por uma razão ou outra, especificamente e biologicamente não tenhamos sido, nascemos pelo amor do Criador, assim, precisamos e podemos vivenciá-lo, praticá-lo e disseminá-lo positivamente entre os nossos semelhantes.